uma nota sobre a releitura

Numa sessão recente de filmes de animação a que assisti, por um erro qualquer na projecção, houve um filme, uma curta metragem de Norman McLaren, que foi repetida. Assim: recomeçou imediatamente.

O público encontrava-se bem disposto com a sessão e interagia bastante, mas aquela repetição inopinada provocou comentários e uma galhofa que já não tinham a ver com o filme. Um quase protesto pela desatenção do operador (de dvd, infelizmente); a hilariedade da situação.

Pela minha parte, tornei a ver o filme com todo o gosto e procurando perceber alguns pormenores que me escaparam (estava demasiado perto da tela). E lembrei-me de umas palavras de Roland Barthes, da sua análise em “S/Z”, em busca do texto plural:

A releitura, operação contrária aos hábitos comerciais e ideológicos da nossa sociedade – que recomenda que se “abandone” a história depois de consumida (“devorada”), para que se possa passar logo a uma outra história, comprar outro livro, e que só é tolerada em certas categorias marginais de leitores (as crianças, os velhos e os professores) (…).

É também por isso que gosto deste nosso blog.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s