A Matemática, a Ciência… a crise… a Luta de Classes

Podaríamos ficar surpreendidos como encontramos a luta ideológica nos lugares mais singelos. Desta feita, a Matemática, através dum artigo de Jorge Buescu, professor na Faculdade de Ciências, reconhecido divulgador científico.

(Para poder ler o artigo clique em parte 1 e parte 2.)

“Crise: a culpa é da Matemática?”

O título do artigo não engana ao que vem (“Crise: a culpa é da Matemática?”), o autor rejeita neste artigo uma visão moralista do descalabro económico actual, segundo a qual uns malvados agentes financeiros terão ultrapassado os limites de operação segura do sistema apenas com o objectivo de extensão do lucro. De forma acertada, o prof. Buescu aponta tal explicação simplista como uma cortina de fumo de objectivos políticos e sugere em seguida que “a Matemática pode ter desempenhado um papel crucial” na origem da crise financeira e, subsequentemente, no bloqueio da actividade económica produtiva.

Sumariamente, este artigo dá conta de alguns princípios da modelização matemática do risco financeiro envolvido em qualquer operação de troca de dinheiro por… dinheiro. O risco é, assim, alvo de quantificação e toma uma forma bastante intuitiva: o risco de um fundo ou de uma outra instituição financeira mede-se, por exemplo, pela quantidade mínima de dinheiro que na semana seguinte poderá ser perdido com uma probabilidade de 1%. Somas superiores de dinheiro perdido têm, nesta simulação, menor probabilidade de serem perdidas. As medidas tomadas pelos agentes financeiros são, então, no sentido de reduzir o risco associado, por exemplo separando os créditos em produtos financeiros diferentes.

O autor aponta então erros de concepção destes modelos: em geral não é tida em conta a dependência probabilística de acontecimentos (por exemplo, incumprimento de pagamentos), como se o sistema voltasse ao estado inicial a cada avaliação; os modelos são construídos com base em assunções de “normalidade” dos mercados, não sendo capazes de reflectir adequadamente situações “perturbadas” de funcionamento do sistema (como a actual crise). A estas dificuldades ainda se juntaria uma errada aplicação de controlo de risco, uma vez que dados errados acerca do mercado de hipotecas estavam a viciar o modelo matemático.

Sejamos sinceros, este artigo enche-nos de esperança: ao serem tratadas estas incorrecções dos modelos e voltando o sistema financeiro ao que era, poderemos estar mais descansados quanto à estabilidade da nossa economia. E não é verdade que estes empréstimos arriscados eram a forma de proporcionar um maior consumo às famílias e com isso aumentar o seu nível de vida? É esta passividade “cientifizante” face ao fundo político da crise que prentendemos questionar, uma vez que este artigo toma (necessarimente) tanto partido quanto os moralistas que acusam os gananciosos banqueiros.

Reenquadremos isto (um pouco)

Estão a lembrar-se deste livro?

A ciência no seu caminho de criar concepções racionais de interpretação e previsão dos fenómenos naturais, encontra logo de inicio um problema: o Universo é uno, todos os fenómenos estão interconectados entre si. Por motivos práticos, é naturalmente necessário isolar um fenómeno para o poder estudar. É fundamental saber isolar o fenómeno em estudo sem lhe retirar interdependências dominantes. Fácil de compreender isto com um exemplo: para se prever a temperatura em Lisboa amanha, é completamente supérfluo o movimento das placas tectónicas, mas já não o é a humidade no ar.

Não ficamos admirados em notar que esses modelos matemáticos, usados para maximização do lucro por via financeira, cometem logo o erro de isolar os processos para o lucro sem ter em conta que o capital é uma relação social. É a ciência, dada muitas vezes como imparcial na luta de classes, a demonstrar como cega perante os interesses da classe dominante. Perdendo assim a sua função de interpretar e prever os fenómenos para melhorar as condições de vida ao conjunto da humanidade.

É importante relembrar que o avanço das forças produtivas devido às conquistas da ciencia e da técnica só poderão ser um progresso social efectivo, se houver condições políticas para tal, e para isso é necessário alterar o objectivo social dominante.

# Colectivo Leitura Capital

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s